14 de mar de 2014


Não é que eu não goste mais de você, eu gosto de você, é só uma questão de lógica.
Se um dia isso tudo vai acabar, não é melhor acabar logo agora?
Já que vai terminar dando errado mesmo, pra quê esperar?
É claro que um dia vai dar errado.
A maior parte dos casais dá errado um dia. E as pessoas vão embora.
Por que haveria de dar certo justo com a gente?
Melhor ficar por aqui enquanto não deu errado ainda.
Pelo menos agora a gente ainda tem chance de ser feliz por aí
A gente é feliz, eu sei.
Então pra quê estragar?
É claro que o amor vai se gastar.
É lógico que um dia isso tudo vai passar.
É óbvio que a gente não vai ser feliz assim a vida inteira.
Não vai ser muito mais triste depois, quando a tristeza pegar a gente desprevenido?
Um dia eu vou me sentir infeliz com você, você vai pensar em outra pessoa, eu vou pensar que me sinto infeliz com você porque você pensa em outra pessoa, você vai pensar que pensa em outra pessoa porque eu me sinto infeliz com você, ou vice-versa.
Aí a gente vai brigar, vai se acusar, vai se culpar, vai ver que é melhor acabar, mas já vai estar muito mais acostumado um com o outro e vai ser ainda mais difícil.
Então a gente vai tentar mais uma vez.
A gente vai tentar mais uma vez não sei quantas vezes.
Vai ter hora que sou eu que vou pedir, vamos tentar?
Vai ter hora que quem vai pedir é você.
A gente vai alternar os papéis de vez em quando, um indiferente e um apaixonado, uma vítima e um culpado, um bocó e um tirano, a gente vai terminar se odiando.
Vamos deixar assim como está, eu gostando de você e você gostando de mim?
É difícil, eu sei.
Mas difícil mesmo vai ser um dia a gente se olhar e pensar, passou.
Vai ser muito mais difícil ver o amor diminuindo, diminuindo, acabando, ver o tempo que era bom ficando cada vez mais distante, a gente se lembrando de agora e pensando, tá vendo?, era melhor ter acabado antes.
Eu sei que é difícil.
Mas eu acho melhor a gente acabar aqui, Pessoa.
E só quando Pessoa desistiu de argumentar e foi saindo, triste, muito triste, ela gritou, "primeiro de abril!"
Primeiro ele riu. Então parou. E, antes de voltar, raciocinou um pouquinho.
Era uma questão de lógica. Se um dia aquilo tudo ia acabar, não era melhor acabar logo ali? Já que ia dar errado mesmo, pra quê esperar? Pensou que ia ser muito triste olhar pra ela um dia e pensar, passou. Pensou ainda que a tristeza tem essa mania de pegar a gente desprevenido. Mas a tristeza já estava tão longe dali, naquela hora, que nem metia mais tanto medo.
Então ele pensou, azar.
Aí, voltou.
E os dois morreram de rir.
E se beijaram.
E morreram de rir.
E se beijaram.
Vai ver eles pegaram a tristeza desprevenida naquele primeiro de abril, não sei, não posso afirmar, mas eu acho que ela foi embora de susto.
Só sei dizer que não voltou nunca mais e eles foram felizes para sempre, quem diria?


Aqui dentro sou igual a você, que faz tudo copiando a massa...

Nenhum comentário: