24 de out de 2011

#super



I can only write, and tell you that I'm not that strong.
'Cause I'm no supergirl, I hope you like me as I am.
There are no words, to paint a picture of you .
Your eyes... it's like you're from some other world.

17 de out de 2011

Vamos voltar

Para alguém ver a si mesmo, são necessários três coisas: olhos, espelho e luz. Se tiver espelho e for cego, não se pode ver por falta de olhos; se tem espelho e olhos, e é noite, não se pode ver por falta de luz. Logo, há mister luz, há mister espelho e há mister olhos. Que coisa é a conversão senão entrar dentro em si e ver-se à luz de Jesus?

Para essa vista são necessários olhos, é necessária luz e é necessário espelho. O pregador contribui com o espelho que é a doutrina; Deus que é amor a graça, justiça e juizo contribui com a luz que expande e sustenta a visão; o homem contribui com os olhos, que é o conhecimento.

Porque faz pouco fruto a palavra de Deus no nosso tempo? Procede de um principio: da parte do pregador, ou da parte do ouvinte, ou da parte de Deus?

Ora sabemos que por parte de Deus não falta contribuição. Esta preposição é de fé definida nEle baseada em Sua palavra, onde temos segurança.
“E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.” João 19:30

Segue-se que ou é por falta do pregador ou por falta dos ouvintes. Um deita culpa no outro. Os ouvintes são maus e como são, a palavra é tão fecunda que faz muito fruto e é tão eficaz que nos maus ainda faz efeito. E por quê?

Ouvintes perspicazes e ouvintes de vontades endurecidas são os piores que há. Os ouvintes perspicazes são maus ouvintes, porque vêm só a ouvir sutilezas, a avaliar pensamentos e às vezes também a julgar tudo e todos.

Mas os de vontades endurecidas ainda são piores, porque um entendimento perspicaz pode-se ferir pelos mesmos fios, e vencer-se com uma outra perspicácia ainda maior; mas contra vontades endurecidas nenhuma coisa aproveita a perspicácia, antes estraga mais.

E com os ouvintes de entendimentos perspicazes e os ouvintes de vontades endurecidas é tanta a forca da palavra de Deus, e se ela até nos ouvintes triunfa, não pela vontade própria deles, mas de Deus, não é por culpa nem por indisposição dos ouvintes.

Supostas essas duas demonstrações segue-se por conseqüência clara, que fica por parte do pregador. E provo que assim é!

Sabeis, por que faz poucos frutos a palavra de Deus nos nossos tempos?

Por culpa dos pregadores!

Por culpa nossa; que não vivemos em tudo o que temos pregado. Que não temos ensinado tão somente o que a palavra ensina, mas em vez disso colocamos sobre ela, métodos, ou como eu tenho chamado, cores: eloqüência, missiologia, sociologia, psicologia, psicanálise, antropologia, geografia, economia, política... Temos deixado a luz, temos tentado mostrar um espelho fora do que a palavra é. Pregando um contexto fora do prumo da verdade. Deixamos de clamar por sermos guiados, revestidos e ensinados exclusivamente pelo Espírito Santo e estamos nos rendendo aos moldes e deixando o modelo, a fonte de água viva que é Jesus!

Eu quero voltar! Desejo tão somente que ao olharem para a minha vida, percebam que existe eficácia da palavra e que ela produz frutos  para a Gloria do nome dEle eternamente.

Vem você também?  

Camila?


Sempre fui muito ligada ao que acontece ao meu redor o que atrapalha um pouco, visto que teologia não é só ficar discutindo questões do mundo ou da alma humana, (e dando Gloria a Deus)   para mim é irresistível. Tenho a maior pressa de aprender, as vezes não tenho tanto ouvido servo quanto deveria ter.. não sei por quê.

Se fosse pautar minha vida pelo que falão seria como dirigir olhando pelo retrovisor. Acho mais inteligente olhar pra frente, em vez de olhar para trás.

Quando pensei entrar na escola em que estudo hoje foi assim; “Vou escolher uma coisa que vai me servir na vida, independentemente do caminho que decidir seguir depois.” Meu barato é o que meu coração fala e quem manda é o Senhor. Depois tem o filho, a famlília, os meus proximos, as nações, a medicina, a psicologia... tem tanta vida pra viver!

Simplesmente respondi  à um chamado antiqüíssimo ao qual resisti e muito sem me ligar nas complicações do caminho. Um dia Deus fala no megafone, assim mesmo pra todo mundo ouvir!

Salva pela graça. Chego até aqui sabendo que ser feliz implica também em fazer.

Aprendi no berço a ser aberta as pessoas, falar com elas do mesmo jeito sem me importar com o que vai antes ou depois do nome, sempre olhando para o que ela tem de bacana e com certo interesse sociológico. Nesse caminho fiz queridos para toda uma vida, magoei profundamente outros por achar um monte de mil abobrinhas.

Uma mulher que vou preservar a identidade me ensinou uma lição de humildade que vou levar para sempre: Não confiar plenamente (como Jesus fazia porque conhecia o coração humano), mas ter ouvidos independente daquilo que você já aprendeu.

Trato o ser humano como ser integral que é, não como objeto de estudo, porque estudar para ser a primeira da turma toda minha vida acabou com meu tesão de ler tanta coisa... que pensei; “ Não quero falar e fazer porque ensinam que tem que ser assim, vou fazendo na medida da mudança por dentro”. E isso me da um prazer imenso.

Não basta documentar na alma o que eu vejo, quero contribuir para modificar a realidade; com o que já esta, ou com o que ainda vai chegar inside.

Li por ai um escrito dum rabino que dizia: “ a casa de ninguém tem quatro paredes, se você olhar pela parede que esta faltando na sua casa, vai ver que a casa do vizinho também não tem quatro paredes ou pode ser que você não veja, porque esta virada para o outro lado.” Pensei: “ Mas mesmo assim sinto saudades da minha avó e do vovô. Eu sinto muita saudade do que poderia ter vivido com as pessoas. E o rabino; “ A vida é como se fosse um barco que cruza a linha do horizonte, você não esta mais vendo o barco, mas sabe que ele esta lá.  “Você não está os vendo, mas pode ter certeza que sempre vai poder perguntar para você mesmo o que eles diriam e vai saber”. O que vale é o amor que foi plantado. O amor é a resposta dos conflitos que ainda virão. A sacada do rabino é essa.

Tem um livro do Joseph Campbell sobre a metáfora religiosa [Tu és isso- Transformando a metáfora religiosa] que juntamente com o que eu aprendo com a bíblia me faz entender o sentido da religião. Esse autor conta que, apesar de sempre ter sido um estudioso da religião, nunca tinha a compreendido, até que estava no leito de morte e viu uma cruz vazia pendurada na parede. Aquilo trouxe conforto, paz, tranqüilidade para ele sentir aqueles últimos momentos na vida dele. Digo porem; se ele tivesse “visto” antes viveria essa paz no decurso de sua vida.

Uma coisa é como enxergo a religião se você pensá-la como metáfora, ela vira uma ferramenta poderosa. Por exemplo; Canaã. Se você pensar nisso como um pedaço de terra, vai ser preciso estar lá ou sua existência não vai valer à pena. Muitos mataram e/ou morreram por ela, dignamente por um direcionamento dado por Deus.

Mas se você enxerga como um espaço onde o governo de Deus sobre tudo e todos era o alvo, (e ainda é) vai pensar; Quero esse Deus, Ele preparou tudo, me amou antes, me chamou, entregou Seu filho, fez um caminho pelo o qual eu poderia passar e me conduzir ao perdão. Desde o início conduz o seu povo para “esse lugar” do governo de paz, não sem antes a cruz ao longo da vida. Acredito muito nesse olhar não metafórico do religar.

Enxergo a religião desse lado. Quando vem um líder dizer o que alguém pode ou não fazer e isso é extra-bíblico, desconfio, rejeito não gosto e acho uma sacanagem tremenda. Ao mesmo tempo, acredito plenamente em Deus e no que Ele esta fazendo por aí além dos “ministérios celebrites”.

Continuo não acreditando naqueles que falam em nome de Deus para dominar a vida dos outros, nem nos que se dizendo Seu povo enche os veículos midiáticos, enchem conversinhas, enchem reuniões de festividades frívolas, enchem a cabeça do seu irmão com deboches ao que Ele instituiu como mandamento mais importante depois de ama-LO; o tão esquecido, amai-vos! No que diz respeito a julgar o que não viram, o que não sabem e portanto o que não entendem.





                                                                      Com reservas.



Cordialmente a você que pensa ser dono do seu próprio nariz.





                                                                      Passarin