27 de mar de 2012

Eu to ficando velha, eu tô ficando pouca

Não é novidade, toda gente sofre com a incompreensão do mundo, mas o cardápio da pessoa vista e ouvida, é um bocado indigesto.


Acontece que fui uma criança criada por babá (mãe preta) + avó + escola protestante conservadora, uma adolescente fria e por tempo demais defendida. Hoje, tendo trocado de pele mil vezes, o imprestável em seu devido lugar, uma pitada de clareza aqui, outra lá. Bons amigos a aconselhar, o Senhor a trabalhar... Gosto da pessoa que vou virando.

Tenho conforto em estar dentro de mim e não arrasto mais correntes por caminhos de pouca luz. Sei lá porque aconteceu dessa maneira e por que um belo dia acordei de bem com minhas circunstâncias. Parece que enquanto dormia, a vida resolveu se apresentar em síntese, pra que assim, com tudo resumido na minha frente, eu tivesse um entendimento das coisas, e que ao acordar não houvesse o peso das vivências, apenas os ensinamentos que elas me trouxeram. Não quero mais esse esforço, essa dor de não ser aceita, do olhar piedoso, da família que não se importa isso já não mais importa. Sinto vontade de me expressar, tenho muito que dizer, quero falar com todas as pessoas; É que o amor precisa mesmo de exercício e teste para manter-se espontâneo.

Vai dando uma canseira danada esse negócio de não poder sonhar e crer. Ser tolhida é uma coisa muito difícil de lidar. Olha li um artigo, cientifico sobre a teoria Freudiana da Transferência, mes amis! ces nem imaginam como as coisas podem ser respondidas e resolvidas quando a verdade é encarada de frente.

Se a disposição for além, se tiver a quem recorrer, puxa! Que vida boa vai se viver.

Todo mundo tem ondas de arrogância, os fugazes instantes em que se acredita nas palmas, nos elogios, àquela hora em que a insegurança cede espaço pra pessoa que aparece demais, e que está satisfeita com seus feitos se enchendo de si, nada disso é bom pra promover o Reino... Então a gente fica assim, entre o prazer que é poder ser voz ativa, e os ossos pra mastigar contra a vontade do sujeitar-se.

Sujeitar-se é o único caminho. Isso é serio!



A memória guarda as coisas como lhe convém e quanto mais serio o assunto, melhor mesmo é que venha embalado na graça divina.



Vamos pra continuar nesse caminho. O caminho da graça.



Perdão aqui, por qualquer tropeço meu, ter sido feito pedra de tropeço no teu.

Aos do ninho, sempre o meu muito obrigada.

Quando me pergunto, de que valem vocês que não vivem do que eu vivo, não aprendem e não se importam com o que é crucial pra mim, como poderão adicionar no meu ministério?



Bem, se me fizerem crescer como pessoa, esse crescimento essa expansão abrirá caminho pra que eu seja alguém mais perto de Jesus, e finalmente quanto às vidas que Ele tocará através da minha vida, serão também beneficiadas.



É crescer, pra ser menor e deixar o Cristo viver além, e tocar a quem Ele um dia te confiou.



Ele é dono do infinito e não tem pressa. Não se afobe não.

Nada é pra já!



Bisou.



2 comentários:

Beth Theodoro disse...

Calhou de eu vir ler esse post agora. Eu tô ficando velha e tô cada vez mais longe...

Seu texto edificou a pessoa aqui! Bj

Camila Verçosa disse...

beteeeeeeeeeeee! sá linda! eu amo vc. saudad!