20 de ago de 2012

Somos todos.

Eu gosto das cidades em terceira pessoa do plural, e vou me mudar para a cidade de Somos Paulo, onde todos têm o mesmo nome e todos se dizem bom dia. Ele veste uma calça comprida, um olhar esmurrado e traz uma maldade no peito, como um broche de flores feridas e pétalas não cicatrizadas. Disse o pingüim dessa casa que o medo guardado fora da geladeira apodrecia em maldade de medo. A maldade de medo é aquela que vai se espalhando pelo seu corpo, sem que você perceba, e faz com que você se afaste das outras pessoas. Longe, você não consegue entender o coração delas. E nem elas, o seu. Mas o seu coração continua numa bondade que ninguém mais entende e, então, eles chamam aquilo de maldade. E ninguém mais se entende.Assim era a maldade no coração dele, o medo que ficou fora da geladeira e apodreceu. Tadinho!
PS;
Eu tive um pesadelo tão feio essa noite. Ai foi a primeira impressão...

Chorei.


Nenhum comentário: