8 de mai de 2017

Era a tarde e não tinha chá,nem café, nem mesa posta, nem nada era meu ali e era um lugar de abrigo. Na verdade tem tudo, mas eu não quero.
 Toda vez que eu tomava minha medicação dizia a mim mesma; mude a minha mente, transformem minhas sinapses, mudem quem estou me tornando por causa do caos. A secretaria é doce, muito querida por sinal. Meu medico é calmo e me passa muita segurança. Melhorem-me! Sarem-me. Parte de mim querer viver, parte de mim querer morrer. Fechar os olhos como um passarinho e jamais levantar, nunca mais ouvir aquilo, nunca mais dizer, nunca mais me envergonhar de ser uma péssima pessoa e ouvir isso dentro da minha mente a cada madrugada corrida sem sono. 
Tinha tido jogo do Galo e a cidade tava metade feliz, eu tava metade/metade pq não tinha naldecon noite e aqui faz muito frio. Como havia dito Estava a dias sem dormir e a passagem das horas era muito irritante, me fez lembrar o chá da Alice e o coelho com seu relógio de bolso. Pra sempre eternamente. 
Esse dia foi um dia feliz, solar cheio de coisas lindas. Lucas estava aqui e brincamos muito. 
E no fim teve jogo e ele foi jogar com o mano. E o galo ganhou. E ouvi musicas que me davam indícios de que era assim. 
Vi o filme que gostávamos (ou eu) mandei e fui tolhida. Coisas da vida. Tô escutando no banho uma música do Vinicius chama-se "O haver" 
Tem fogos de artifícios lá fora e sol mas aqui menos trinta graus. 
As pessoas têm pouca noção do impacto que causam, quem flerta com quem não quer ninguém? 
Eu hein? 

Nenhum comentário: