28 de mar de 2013

Devocional




Jesus teve uma história e sua história não é autônoma, escrita sozinha. A história de Jesus é escrita em família, em linhagem e linhagem de gente! De gente que fez coisas boas e de pessoas que fizeram coisas ruins, mas Jesus não teve sua história estigmatizada pela vida das outras pessoas, não é destino, não é maldição, é história. Em se tratando de história cada um tem a sua, escrevendo a sua em comunidade, influenciando e sendo influenciado, mas nada como determinado, por herança maldita, ou algo assim. Não! É Jesus no meio dos homens escrevendo a sua história, trazendo dos homens tão somente o melhor que eles tem, a imagem de Deus.

Curioso? Na genealogia de Mateus, a semente é dada ao homem, dos lombos de Isaque veio Jacó, mas no Cristo o ciclo se quebra. "José marido de Maria da qual nasceu Jesus que é chamado o Cristo" (Mateus 1: 16; Gênesis 3:15). Da história dos homens participa Cristo, Senhor dela e dela autor, como homem, mas não dos homens, do Senhor. Aos homens diante do Cristo cabe a recepção, a adoção, amizade, filiação, mas nunca sua geração... Gerado de Deus, é Deus de Deus.

Assim, diante dos fatos da vida de Cristo nossos atos desaparecem, parece que Mateus nos faz perceber que tudo que importa é tão somente o Cristo, ser usado para descender o Cristo. Os feitos de Abraão e Davi nada são agora diante de quem Jesus é. Tudo que importa é Cristo. Cristo é o todo especial. No de tantos que descende, Cristo é o diferente, o especial.

Se o texto de Gêneses nos faz perceber que a salvação e o resgate vem por meio Daquele que nasce de uma maneira diferente, fora do normal, apesar de nascer e ser homem. A diferença de Cristo não esta em ser melhor que os homens, ser diferente dos homens, mas em ser homem como os homens. Ele descende dos homens para que possa salvar os homens, não é uma nova espécie de homem, mas o tipo de homem que todos os homens devem ser, e apesar de não participar do pecado dos homens, nasce diferente, não para viver como todos os outros, mas para viver como o homem junto aos homens. Então Cristo é o centro da história, pois nasce diferente, não para ser melhor, mas para ser homem, como os homens, no meio dos homens afim de salvar os homens porque é diferente dos homens, é competente para isso!

Assim Cristo quebra o conceito de ser especial do século 21, no tocante a ser especial como ser melhor, quando na verdade o especial esta em ser homem, simplesmente homem, no meio dos homens, para que outros homens aprendam a ser quem desaprenderam a ser. Não é estar acima, é estar no meio de tal maneira a ser guia, a ser luz, a ser porta, a ser caminho. Assim era o Senhor, assim o apóstolo nos disse: luzeiros! O ser especial esta no fato de ser chamado pelo Cristo para junto a ele e agora estar no meio, no meio dos homens, com os homens, tão próximo a eles que vejam as boas obras, tão junto deles que eles entendam o que você vê e faz!

Dá pra ser assim? Ou você ainda vai ficar insistindo em ter aquilo que você nunca terá? Nessa ânsia de ser especial, de significar a história pessoal pela ambição de ser melhor que os outros tudo que a gente consegue ser é o diabo, e vai por mim não tem nada de especial em ser diabo. "Porque Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas".





Por Vinicius Zulato (Mateus 01)


via facebook.






Nenhum comentário: