15 de jan de 2013

O passarin leitor

Leia Romanos! A carta magna da fé cristã.


O apostolo Paulo foi um ávido defensor da graça soberana de Deus. Ele fora salvo pela graça soberana: fora instruído sobre a graça soberana. Pregava a graça soberana; escreveu sobre a graça soberana; e viveu a graça soberana. Sua vida estava imersa na graça soberana. Compreensivelmente, Paulo resumiu sua vida e seu ministério dizendo: “Pela graça de Deus sou o que sou.” (1co 15.10), pois ele havia experimentado singularmente a vitoria da graça soberana nas profundezas da sua alma. Tendo sido o menos provável candidato à salvação, Paulo veio a ser a personificação das doutrinas da graça. Desde o começo de sua vida cristã, entendeu que era um “instrumento escolhido” (At 9.15) pelo Senhor, alguém que tinha sido separado desde o ventre de sua mãe (Gl. 1.15) para os propósitos eternos de Deus. Ele compreendeu que a graça soberana era a única coisa que podia explicar a mudança radical, inesperada, que teve lugar em sua vida. A graça soberana, do principio ao fim, tinha produzido a revolução pela qual passou a sua vida.

Em seguida à sua conversão, a doutrina da eleição soberana tornou-se o alimento constante do ensino de Paulo. Posteriormente, tendo recebido ensino diretamente do Senhor, da sua pena apostólica fluíram abundantes temas relacionados com a graça soberana. No conteúdo geral das epistolas, este mestre magistral ensinou fortes palavras de sã doutrina. Em suas treze cartas, Paulo articulou as doutrinas da graça com precisão e profundidade. Ele se tornou o campeão da defesa da soberania da graça de Deus, ficando em segundo lugar somente em relação a Cristo. Não surpreendentemente, acreditava que a gloria suprema pertence à graça soberana de Deus (Rm 11.36). É precisamente o que vemos quando lemos a Epístola aos Romanos. Nela está o registro da verdade doutrinaria escrita por um homem supremamente comprometido com a graça soberana de Deus.

Em nenhuma outra parte dos escritos de Paulo a pureza da graça de Deus é mais vividamente exposta do que em sua carta aos romanos. Romanos é o maior tratado e a mais pura expressão da graça salvadora de Deus já escrito. Por essa razão, o amado livro tem sido chamado a Carta Magna da fé cristã. É uma teologia sistemática virtual, principalmente na área da soteriologia, a doutrina da salvação. Estas doutrinas eram o próprio palpitar do coração de Paulo, quando escreveu Romanos. Numa forma bem ordenada e altamente estruturada, ele trata das importantes doutrinas da condenação, da justificação, da propiciação, da redenção, da santificação, da união com Cristo, da adoção, da adoção, da glorificação, da eleição, e da reprovação. Mas, acima de tudo mais, o pulso de Paulo se acelerava de zelo pela preservação da graça de Deus em sua mais pura forma quando ele escrevia. Logo no inicio da carta ele declara, “recebemos graça” (1.5), e a graça salvadora continuou sendo o tema recorrente da epistola (1.7; 3.24; 4.16; 5.2, 15, 17, 20-21; 6.1, 14-15; 11.5-6; 12.3, 6; 15.15; 16.20). Do principio ao fim, este é um livro para revelar a plenitude da graça de Deus – um tour de force [um golpe de mestre].

Um comentário:

Maria Luiza Dacio disse...

AMEI!! LINDA cOMO sempre...