4 de jan de 2013

A cronica do Jairo.

Olha que querideza. Depois que eu vi a Dama de Ferro, fiquei lembrando da mãe querida.
Olha eu sempre tive meus entraves com ela, mas serio a mulher não cansa..
Agora trabalhando, ela na mesa nossa, escritorio casa, pranchetando e editando, cotando, fazendo. Chegou do trabalho, botão de obra, jantou minha comida, sentou à mesa conosco, tomou café, agora trabalhando. Está de ferias da faculdade. Olha pra você eu digo sim.
 Mãe. De aço!

E a mãe ficou velhinha




"Dá aflição saber que a mãe, sempre tão firme em sua marcha, agora precisa caminhar com mais calma"



“JÁ VINHA botando reparo havia algum tempo: cada vez mais cedo ela dormia durante nossas sessões de cinema em casa ¬-até no filme do Marley, o labrador arteiro que ela amava, foi assim.

Começou a faltar a ela aquela força de sempre para me dar uma empurradinha pelas calçadas esburacadas. Ganhou um desequilíbrio do nada e uma saudade de tudo. Mamãe envelheceu.

Dá uma certa aflição, não vou fazer rodeios para admitir, saber que a mãe, sempre tão firme em sua marcha aplicada com um sapato baixinho e confortável, que buscava o sustento, o futuro e a felicidade dos filhos, agora precisa caminhar com mais calma e cuidado.

Meu coração ficou como no momento do samba derradeiro, dias atrás, quando entrou pelo corredor do restaurante uma senhorinha esbaforida, com a mão machucada, semblante de susto e passinhos de quem havia passado maus bocados. E havia passado. Caiu no meio da rua. Estava entre a aflição da dor e a carência de algum aconchego.

E se a minha mãe, agora velhinha, desabasse em um algum ermo de mundo também? Será que a acolheriam com a atenção e a presteza que a mãe da gente tem o direito de receber? E se ela ficasse meio descompensada e não soubesse nem em que planeta estava?

O almoço perdeu a graça e eu só pensava nas feridas da senhorinha, que foi gentilmente atendida com cuidados orientais das mãos da dona do boteco, uma "japa" sorridente. Sosseguei quando ela garantiu que estava tudo bem e que cuidaria da velhinha.

Mãe não tem dor de cabeça, não tem fome, não tem preguiça de fazer mingau, não tem medo de barata, não tem limite no cartão para emprestar um dinheirinho, mas, de repente, ela envelhece e faz o filho pensar que ela pode sofrer sim.

Lá em casa, mamãe nunca foi "rainha do lar". Estava mesmo é para Margaret Thatcher em meio a contas para pagar, bocas para encher, uma criança com deficiência para dar jeito. Logo, quando vi Meryl Streep interpretando a "Dama de Ferro" já cansada, abatida pelo destino irrefutável da idade, quis dar um Oscar pelo conjunto da obra para a minha "santa".

Tudo é possível na velhice e ser velho é conquista, jamais um demérito para quem sabe aproveitar a existência. É que o tempo vai passando e fico aflito por diversas ocasiões de amor que ainda não vivi com minha mãe -nem a viagem para Poços de Caldas, que ela jura ser de caldas de doces, fizemos.

Não queria vê-la frágil, por mais bonita que seja a pétala. Não queria vê-la cansada, por mais nobre que seja o vencedor de maratonas. Não queria que jamais a senhora caísse, mãe, por mais que, como você a vida toda disse: "Quem não cai não aprende a se levantar".

Jairo Marques

    ps: engraçado que escrevi do papai... do filho e agora lendo com ela a cronica do Jairo.   Mãe. Tá ai a musica que a gente cantou e dançou no domingo do Roberto Lindo Carlos; o cabelo dela cor de ouro, encaracolado... a cuca maravilhosa e o amor leoa tudo o mais.   Mãe! A filha da Raimunda e tudo. Querida. Diva.     Outro dia, um cabeludo falou:

"Não importam os motivos da guerra

A paz ainda é mais importante que eles."

Esta frase vive nos cabelos encaracolados

Das cucas maravilhosas

Mas se perdeu no labirinto

Dos pensamentos poluídos pela falta de amor.

Muita gente não ouviu porque não quis ouvir

Eles estão surdos!


Eles estão surdos

Nenhum comentário: