25 de nov de 2010

Sobre estar fora do ninho.

Nesse voar de todo dia alguns assuntos foram mais constantes na caixola, como a solidão, a criação, Deus, vida, morte e relacionamento. Eu não tinha consciência plena de que eram estes os temas que eu encontraria quando comecei a olhar por dentro e para frente. A vontade era descobrir e agir para servir e seguir. Não são temas fáceis, mas sabendo explora-los de modo a fazer com que nos do ninho nos tornemos melhores depois do contato com eles, já seria um alivio. E para falar a verdade é.

São os pequenos sustos que nos acordam.

Meu maior interesse é mostrar a mulher por trás do passarinho. Os temas e os valores que apresento são escolhas das coisas que me assombram, me devoram, me surpreendem e me chocam; estou aqui falando de mim de coisas importantes pra mim, como a compaixão, a maternidade, a solidariedade, o quanto os desdobramentos dos acontecimentos são relevantes, a capacidade de participação do ser humano, sua indignação e sua raiva.
Tenho muitas palhas para trazer, às vezes falo da importância de viver um encontro amoroso, porque uso poesia pra expressar sentimentos que moram no meio de mim e indiretamente estou falando sobre a importância do amor, que não é algo transitório. O amor não propõe um recorte na realidade porque o amor é a realidade. O caminho. O amor nos insere no propósito e da propósito para a nossa vida. Voando pelo amor, para o amor e com amor tendo como motivação fazer Jesus sorrir. Meu propósito é esse encontro, o encontro do que é a plenitude do sonho de Deus neste tempo, descobri que o que me faz mais realizada na vida é isso. Foi um baú cheio de surpresas e renovo. Agora falta um jeito possível de reorganizar o resto, já que no todo dia são milhares de coisas e eu tenho ninho pra esquentar, preparar, construir pra depois receber. 


1Corintios 13 fala assim;
13:11 Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
13:12 Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
13:13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor. 
Um dia fui fazendo minhas coisas todo dia e conversando com o Senhor, abriu um buraco enorme no meio do meu peito, entrou e saiu cada coisa de lá que nem tenho tempo de contar... Foi quase um oceano inteiro, cores, céu, a lua que tava gorda depois d’um por de sol bem laranja. Eu fiquei além. Rasguei tanta coisa velha, joguei cadeados fora. Comecei a sorrir e minha boca é grande foi um sorriso largo, quem me conhece sabe como esse sorriso é, a coisa que mais revela sobre mim.

Voltando...

E há nesses meus temas humor, uma pausa pr’um café; rio muito de mim mesma, brinco com os extremos, olho pro plano A com simplicidade e me sinto no lugar certo. É equilíbrio de bailarina equilibrista.
Os meus dão esse conforto de olhar em volta e não me deixar sucumbir. Como é que eles acreditam tanto assim em mim, sendo eu tão pequenininha? Eles me acompanham e a discussão pode ser sempre retomada (fica essa conversa toda pra ter sabedoria acima de todas as outras coisas, sabedoria e delicadeza que faz parte do treinamento das longas milhas até aqui..) é um mergulho no que me dá medo e sem sentir medo.
Sabia que existem dois tipos de medo?
Existe o medo ruim, que é aquele que paralisa que faz você deixar algo, que indica castigo, peso e traz muita dor fica tudo paralisado no ar massacrando nossos pensamentos. Mas existe também uma força motriz no medo, que te impulsiona. É o medo do leão que surge na sua frente e faz com que você corra como nunca antes, esse é o medo que aparece pra te salvar, que faz com que você consiga ser mais do que normalmente é. É o medo de ficar que faz você dar o salto e, de certa forma esse salto representa a sua salvação a virada que você precisava. Nesses vôos, me desvencilhei dos medos ruins, encontrei tanta compaixão, honra, amizade, amor, acolhimento, lugar pra voltar, lugar pra ir, sorrisos, broncas, redigi palavras pra afagar, desenhei, mil balões azuis, vestidinhos amarelos, cata-ventos, ventanias, marcianos, ursos, quartos, livros, palavras, guarda chuvas em geladeiras, vaquinhas, deixei um modelo de super sei lá o que, descobri pessoas, pacotes e potes verdadeiros, mas, reafirmei os meus absolutos, não os larguei e estou incrivelmente alegre. Descobri a solidariedade do meu filho, ser a MÃE do Lucas é o meu maior dever e o meu maior desejo. Todo dia é pelo ninho que saio e é pelo ninho que volto. O nosso, esse ninho de nos dois.
São tantas palhas, algumas conseguem me tocar em lugares muito íntimos dentro da caixola que eu nunca contei a ninguém, a não ser pro Senhor, e nem pretendo contar porque acho mais inteligente ser jardim fechado, então eu continuo com a certeza de que ainda existe cruz pra levar, ainda existe transformação, ainda existe salvação pros que daqui de dentro não a conheceram, ainda existe estrada para a santificação, e o meu modelo é Jesus e eu sou dele, sem esse papo furado de “crentês” que me deixa de cabelo arrepiado, que me lembrou muito do sentimento de solidariedade, de compaixão que são coisas opostas ao egoísmo desse povo todo (e o meu também por diversas vezes) e me fala de coisas muito ligadas ao amor, que é um sentimento primordial, mas no sentido de nos revelar que nos somos fortes e frágeis, sábios e ignorantes. Se andamos sozinhos ou se vamos no colo de Cristo.Não sei você, mas eu prefiro o colo, porque fica muito mais facil ouvir o que Ele vai contando.
Conhecer as nossas fragilidades nos torna mais fortes, e é algo que não acaba enquanto nós estivermos aqui vivos e dispostos a voar.
Que o Espírito Santo nos leve além e cada dia mais fundo para o centro da vontade daquele que me fez, que te fez, o meu Senhor, meu amigo e meu Salvador. 
É por tocar nEle todo dia, não importanto onde estou, é sempre do secreto do nosso lugar comum, meu e dEle. Ele não se esqueceu de nada. Das suas vestes sai poder e cura, todos os dias.
Não estamos sós.




Um beijo no coração de quem caminha comigo, um beijo pra vocês todos do ninho.


To crescendo.
 Cordialmente,

Camila.

2 comentários:

annems disse...

Ahhh que eu ja li esse post um monte de vezes e continuo achando ele lindo, sincero, coisa assim de alma mesmo. Dessa alma pura q vc tem, dessa cara limpa e corajosa! Divulgando a causa de Cristo: o amor!

Camila Verçosa disse...

Nossa! Obrigada!
muito obrigada!